Márcia Alvarinho

Márcia Alvarinho

A Formadora Márcia Parreiras Alvarinho assumiu a missão de fazer crescer as empresas, através do conhecimento dos números do negócio, contruindo equipas bem formadas e com a segurança de um apoio na decisão.

O Activo Fixo Tangível (Imobilizado) e o seu pagamento

«Márcia achas que compre um carro para a empresa a pronto pagamento, tenho algum dinheiro disponível…»

Quando uma empresa pensa em comprar um bem para o seu imobilizado (bens que permanecem na empresa por um período superior a um ano e que não se destinam a ser comercializados), como um carro, a questão a ter em conta não passa só pelo como pagar o mesmo mas também quando pagar o mesmo.

Recentemente um empresário com quem trabalho, fez-me esta questão, segundo ele tinha algum dinheiro disponível e a viatura já estava a dar muita despesa.

A ideia era pagar a viatura a pronto, já que tinha dinheiro no momento, a minha pergunta foi: “Ok e quando tiveres de comprar mais mercadoria? E quando chegar o subsídio de natal do pessoal? Se pagares agora a viatura vais ficar descapitalizado para a gestão de curto prazo.”

 Importante pensar que se a vida útil estimada de um bem são 4 anos (como é o caso de uma viatura numa empresa) então o prazo de pagamento deve ser igual, desta forma vai haver um equilíbrio entre o gasto (custo) e o fluxo financeiro (pagamento), isto é o valor que pesa nos pagamentos do ano, será o mesmo que pesa nos custos desse ano, desta forma a empresa não fica descapitalizada e ajusta os gastos com as saídas efetivas de dinheiro.

O mesmo sucede com a substituição de equipamentos, procura saber o período de vida útil do equipamento e equilibra esse período de desgaste com o período de pagamento. Se o bem se estima que vá durar 5 anos então será durante 5 anos que o seu pagamento deverá ocorrer.

Importante fazer um estudo para o financiamento dos equipamentos de forma a que os gastos associados sejam justos e comportáveis para a empresa.

Boas escolhas boa gestão. Até para a semana!

Partilhe

Explorar mais

A Olívia patroa e Olívia costureira de hoje

Sou empresária há 17 anos, mas nos últimos 8 tenho vestido a pele desta Olivia patroa e Olivia costureira, mas lá está “nenhum Homem é uma ilha!” e hoje senti os mais diversos desafios que me trouxeram esta frase à memoria.

Partilhe